miércoles, 15 de diciembre de 2010

1967 - II FESTIVAL INTERNACIONAL DA CANÇÃO POPULAR





El 21 de octubre concluía el III Festival de la TV Record en San Pablo y dos días antes estaba comenzando esta segunda edición del Festival Internacional da Canção Popular en Rio de Janeiro.

Desde el punto de vista estrictamente musical, el Festival de San Pablo gozaba de un mayor reconocimiento tanto por la calidad de los temas presentados como por las exigencias del público.

No obstante, por la cantidad de visitantes extranjeros y la organización, además de un evento meramente musical, era un acontecimiento social de peso.

Contó nuevamente con el apoyo de la Secretaría de Turismo de Guanabara y fue transmitido por la TV Globo.

El Maracanãzinho fue acondicionado tanto para mejorar la calidad del sonido como para recibir a los artistas de renombre internacional que habían sido invitados: Eddie Barclay, Alan Barriere, Francis Lai, Pierre Barouh, Mariano Mores, Jacques Brel, Nico Fidenco, Jimmy Fontana, Lucho Gatica, Yma Sumac, Kim Novack, Robert Wagner, Jill Saint John, Patty Austin, Andy Williams, Quincy Jones, Nelson Riddle, Henri Mancini, entre otros.




Entre 4.200 temas, 46 fueron seleccionados finalistas para la Fase Nacional, con dos rondas eliminatorias (19 y 21 de octubre) y la final el 22 de octubre y la Fase Internacional que contó con la presencia de 30 países, otras dos rondas (23 y 26 de octubre) y la final el 28 de Octubre. El cierre fue el 29 de octubre.

El trofeo “Galo de Ouro” y premios en dinero muy inferiores en valor a los del Festival de la TV Record en San Pablo.

10 primeros lugares:
1º lugar: MARGARIDA (Gutemberg Guarabira) Gutemberg Guarabira y Grupo Manifesto [Gracinha Leporace, Fernando Leporace, Lucinha, Amauri Tristão, José Renato Filho, Junaldo, Mário Telles, Guto Graça Melo, Mariozinho Rocha y Augusto César Pinheiro]
2º lugar: TRAVESSIA (Milton Nascimento/Fernando Brant) Milton Nascimento
3º lugar: CAROLINA (Chico Buarque de Hollanda) Cynara y Cybele
4º lugar: FUGA E ANTIFUGA (Edino Krieger/Vinícius de Moraes) Quarteto 004 y As Meninas
5º lugar: SÃO OS DO NORTE QUE VÊM (Capiba/Ariano Suassuna) Claudionor Germano
6º lugar: O SIM PELO NÃO (Alcivando Luz/Carlos Coqueijo) MPB-4
7º lugar: MORRO VELHO (Milton Nascimento) Milton Nascimento
8º lugar: FALA BAIXINHO (Pixinguinha/Hermínio Bello de Carvalho) Ademilde Fonseca
9º lugar: CANTIGA (Dori Caymmi/Nelson Motta) MPB-4
10º lugar: OFERENDA (Luis Eça/Lenita Eça) Cynara y Cybele

Las otras finalistas:
DE SERRA, DE TERRA E DE MAR (Geraldo Vandré/Théo de Barros/Hermeto Paschoal) Geraldo Vandré
CANÇÃO DE ESPERAR VOCÊ (Fernando Leporace) Gracinha Leporace
VEM COMIGO CANTAR (Luís Bonfá/Maria Helena Toledo) Sandra
CANTO DE DESPEDIDA (Edu Lobo/Capinan) Neide Mariarrosa
TERRA! (Paulo Gustavo da Silva Costanza) Neide Mariarrosa
O TEMPO DA FLOR (Francis Hime/Vinicius de Moraes) Cláudia
DESENCONTRO (Amauri Tristão/Mário Telles) Gracinha Leporace y Mário Telles
SOU DE OXALÁ (Alcivando Luz/Carlos Coqueijo) Quarteto em Cy
MARINHEIRO, OLÊ (Gutemberg Guarabira) Agostinho dos Santos
CAMINHADA (Antônio Adolfo/Tibério Gaspar) Beth Carvalho, Eduardo Conde y Trio 3 D

Premio Mejor Intérprete: MILTON NASCIMENTO (Travessia/Morro Velho)
2º Premio de Mejor Intérprete: NEIDE MARIARROSA (Canto de Despedida/Terra!)
Premio Mejores Arreglos “Galho de Prata”: LINDOLPHO GAYA.


Milton Nascimento presentó tres canciones:
Travessia (con Fernando Brant)
Morro Velho y
Maria, Minha Fé interpretada por Agostinho dos Santos.


Fase Internacional

1º lugar: Italia: PER UNA DONNA (Corrado Mantoni/Giulio Perretta/Marcello de Martino) Jimmy Fontana
2º lugar: EE.UU: THE WORLD GOES ON (Quincy Jones/Alan Bergman/Marilyn Bergman) Brennan
3º lugar: Brasil: MARGARIDA (Gutemberg Guarabira) Gutemberg Guarabira y Grupo Manifesto
4º lugar: Inglaterra: CELEBRATION (Bill Martin/Phil Coulter) Cy Manifold
5º lugar: Japón: JUST FRIENDS [Amigos apenas] [Tada Soredake] (Katsuhisa Hattori/Kazuko Katakiri) Tamico
6º lugar: Austria: WENN DIE LIEBE KOMMT [Quando o amor chegar] (Peter Horton) Peter Horton
7º lugar: Mónaco: L’AVION DE NULLE PART [O avião do infinito] (J. Revaux/R. Bernet) Hervé Villard
8º lugar: Portugal: KUBATOKUÊ MULATA (Raul Aires Peres/Emílio Vitória Pereira) Duo Ouro Negro [Raúl Indipwo/Milo Mac Mahon]

Otros países participantes:
Bélgica: JE CROYAIS EN MOI (Jean Vallée) Jean Vallée
Canadá: JE NE T’EN VEUX PAS [Não te quero mais] Donald Lautrec
Holanda: SPEEL NIET MET MIJ Liesbeth List
Grecia: Zoitza (Zoe) Kouroukli



Revista "Fatos Fotos" - 11 de noviembre de 1967 - nº 364
Henri Mancini / Gutemberg Guarabira / Kim Novak

Revista "O Cruzeiro"

Revista "Manchete"








L E T R A S




MARGARIDA
(Gutemberg Guarabira)
1º lugar

Andei, terras do meu reino em vão
Por senhora que perdi
E por quem fui descobrir
Não me crer mais rei e aqui me encerrei
Sou cantor e cantarei
Que em procuras de amor morri, ai
Dor que no meu tempo dói
Que destróes assim de mim
Bem sei que eu achei, enfim
E que adiantou a dor,
Mas me queimou
Pois por não saber de amor
Ela ainda rainha está
E ela está em seu castelo, olê, olê, olá
E ela está em seu castelo, olê, seus cavaleiros
Ora peçam que apareça
Pois por mais que eu ofereça
Mais me evita essa senhora
Eu já fui rei, já fui cantor
Vou ser guerreiro, um perfeito cavaleiro
Armadura, escudo, espada,
Pra seguir na escalada,
Belo motivo, é por amor que vou lutando
E pelas pedras do castelo
Como eu já vou retirando
E retirando uma pedra, olê, olê, olá
Mais uma pedra não faz falta, olê, seus cavaleiros
Que ainda correm pelo mundo,
Ouçam só por segundo, eu acabo de vencer
Retirei pedras de orgulho, majestades,
Deixei todas de humildades, de amores sem reinado
Ela então se me rendeu
Eu já fui rei, já fui cantor, já fui guerreiro
E agora enfim sou companheiro,
Da mulher que apareceu
E apareceu a Margarida, olê, olê, olá
E apareceu a Margarida, olê, seus cavaleiros


TRAVESSIA
(Milton Nascimento/Fernando Brant)
2º lugar

Quando você foi embora, fez-se noite em meu viver
Forte eu sou, mas não tem jeito
Hoje eu tenho que chorar
Minha casa não é minha e nem é meu este lugar
Estou só e não existo, muito tenho pra falar
Solto a voz nas estradas, já não quero parar
Meu caminho é de pedra, como posso sonhar?
Sonho feito de brisa, vento vem terminar
Vou fechar o meu pranto, vou querer me matar
Vou seguindo pela vida me esquecendo de você
Eu não quero mais a morte, tenho muito que viver
Vou querer amar de novo
E se não der, não vou sofrer
Já não sonho, hoje faço com meu braço o meu viver
Solto a voz nas estradas, já não quero parar
Meu caminho é de pedra, como posso sonhar?
Sonho feito de brisa, vento vem terminar
Vou fechar o meu pranto, vou querer me matar


CAROLINA
(Chico Buarque de Hollanda)
3º lugar

Carolina, os teus olhos fundos guarda tanta dor
A dor de todo esse mundo
Eu  já lhe expliquei que não vai dar, seu pranto não vai nada ajudar
Eu já convidei para dançar, é hora, já sei, de aproveitar
Lá fora, amor, uma rosa nasceu
Todo mundo sambou, uma estrela caiu
Eu bem que mostrei sorrindo
Pela janela, ai que lindo, mas Carolina não viu
Carolina, os teus olhos tristes guarda tanta amor
O amor que já não existe
Eu bem que avisei vai acabar, de tudo lhe dei para aceitar
Mil versos cantei prá lhe agradar, agora não sei como explicar
Lá fora, amor, uma rosa morreu
Uma festa acabou, nosso barco partiu
Eu bem que mostrei a ela,   o tempo passou na janela
E só Carolina não viu
Eu bem que mostrei a ela,  o tempo passou na janela
E só Carolina não viu.


FUGA E ANTIFUGA
(Edino Krieger/Vinícius de Moraes)
Marcha-rancho en forma de fuga
4º lugar

A viver o que existe
E que é só tristeza
É melhor já ser triste
E não ter o que esperar

A esperança resiste - É uma ilusão
A qualquer incerteza - Desilusão
A suprema pobreza - Oh, solidão
E não ter o que esperar

É melhor desesperar
É melhor desconhecer
É melhor desenganar
O coração que vai sofrer

Só o amor nos eleva - É um adeus que nunca finda
Só o amor nos exalta - Ai, quem me dera o esquecimento
Sempre que ele nos falta - É tão grande o sofrimento
É a treva e a solidão

Oh, tristeza infinita - Deixa em mim teu desespero
Que não há quem conforte - Um dia chega a primavera
O amor e a morte - Sou a vida que te espera
É a treva e a solidão
Vem sem mágoa e sem adeus
Vem banhar-te em minha luz
Vem plantar a tua cruz - Minha cruz
Dentro da cruz dos braços meus
Oh, vem amar!
E quando eu quiser partir
Quando a noite me chamar
Quando o sonho me vier?
Saberei te compreender
Sou mulher, sou mulher, sou mulher, sou mulher
Sou mulher pra te servir
Sou mulher pra te encontrar
Sou mulher pra te perder
Sou mulher pra te ofertar
Tudo o que é lindo no meu ser
Pra te amar até morrer
Oh, amor infinito - Oh, vem, meu amado senhor
Oh, divina certeza - Matar minha sede de amor
Nunca mais a tristeza - Amor, vem plantar tua cruz
Quero amar sem mais adeus - Vem amar sem mais adeus
Nos braços teus - Nos braços meus
Meu amor infinito
Vamos juntos embora
Na esperança da aurora
Que da noite vai raiar
Meu amor infinito! - Meu amor!
Meu amor, vem amar! - Vem amar!
Vem amar! - Meu amor!
Meu amor! - Vem amar!
Meu amor vai raiar no infinito
Seu tempo de adeus

- Meu amor, vem aos braços meus!




No hay comentarios:

Publicar un comentario